Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Como usar Facebook Live no jornalismo para maior interatividade com os usuários: lições da mídia em espanhol



Este artigo é parte de uma série sobre Jornalismo Inovador na América Latina e Caribe(*)


Quando o cantor de ranchera Pedro Infante morreu em abril de 1957, a recém-nascida televisão mexicana transmitiu seu funeral ao vivo, com imagens em preto e branco que mostravam a multidão seguindo o cortejo fúnebre pelas ruas da Cidade do México. Aquela se tornaria uma transmissão de televisão histórica naquele país.

Décadas depois, o luto pela morte de outro ídolo popular mexicano o cantor e compositor Juan Gabriel também foi transmitido ao vivo no ano passado, embora o escopo das imagens tenha se multiplicado e transcendido fronteiras, graças aos vários meios de comunicação que transmitiam o funeral pelo Facebook Live.

Público reage à transmissão ao vivo no Facebook do jornal peruano La República sobre enchente em Chaclacayo e Chosica . (Screenshot)

A plataforma de streaming ao vivo do Facebook surgiu em 2015, mas foi aberta a usuários comuns apenas em janeiro de 2016. A mídia não demorou a entrar no barco.

No Facebook Live, jornais e sites de língua espanhola viram a oportunidade de adicionar à cobertura um formato audiovisual com maior alcance e interação do que vídeos multimídia para web ou redes sociais.

Esta interação em tempo real é justamente o que levou a mídia a usar a ferramenta tanto para a cobertura de protestos e grandes eventos, quanto para entrevistas e produções feitas especificamente para o Facebook Live.

A transmissão ao vivo no Facebook também permite ao público comentar e enviar perguntas em tempo real, o que cria uma interação instantânea que não é possível com a televisão.

Para esta reportagem especial, o Centro Knight conversou com vários editores de meios de comunicação em espanhol de diferentes países e com um representante do Facebook. Nós selecionamos dez casos de transmissões ao vivo através do Facebook Live (veja abaixo ao final desta reportagem) para refletir sobre essas experiências e as lições aprendidas.

“O volume de comentários é 10 vezes maior em um vídeo ao vivo comparado com um vídeo normal no Facebook. Quanto ao tempo de reprodução, as pessoas ficam vendo um conteúdo ao vivo três vezes mais tempo do que passam vendo um material gravado. É uma ferramenta incrível. Quando se combina a interatividade e o tempo real, é uma força incomparável”, disse Luís Renato Olivales, diretor de relações com a mídia do Facebook na América Latina.

A Univision é uma das redes de televisão que entrou no Facebook Live para suprir necessidades jornalísticas que não são atendidas pela televisão. Notícias de última hora, por exemplo, fazem parte de uma das áreas em que o Facebook Live tem sido benéfico para a emissora em língua espanhola.

"Em notícias de última hora, você tem que ter uma reação rápida, levar o público ao local e dar a informação e o sinal ao vivo, não importa que a mesma coisa esteja na TV ou que não esteja na TV. Você tem que dar ao público a transmissão em todas as plataformas, e são eles que escolhem [qual vão assistir]", disse Selymar Colón, editor sênior de mídia digital da Univision, ao Centro Knight.

Embora a produção de conteúdo audiovisual para redes sociais possa ser semelhante à criação de programas de televisão, a mídia entendeu que o Facebook Live tem a sua própria linguagem e suas necessidades quando se trata de transmissão. Por exemplo, a Univision produz o Noticiero Univision Edición Digital, transmitido simultaneamente ao meio-dia na televisão, no Facebook Live, no YouTube e no Periscope. É um programa de notícias mais visual, com mais texto e conteúdo na tela, e menos tempo com âncoras.

"A audiência vê primeiramente o Facebook Live com o som desligado, o que nos ensina a sermos mais visuais e muito mais interativos. Não podemos simplesmente simular a televisão, porque vamos falhar", acrescentou Colón.

Apesar de terem toda a infraestrutura de áudio e vídeo, as transmissões da Univision no Facebook Live são feitas principalmente com smartphones e um ou dois membros da equipe. No entanto, eles também conseguem ligar o sinal de TV no Facebook, caso necessário.

"Em uma cobertura muito importante, conectar o sinal de televisão no Facebook Live funciona bem, mas não é um recurso do qual queremos abusar, porque não é o propósito da ferramenta. Há dois anos, nos certificamos que todos os repórteres teriam smartphones para poder transmitir, capturar a notícia e reportá-la nas redes sociais sem qualquer inconveniente. Em muitos casos, você não precisa colocar em quadro um apresentador para falar, basta mostrar às pessoas o que está acontecendo", acrescentou Colón.

A fim de aproveitar a interação oferecida pelo Facebook Live, a Univision produz segmentos chamados "Notícias que Você Pode Usar", com foco em utilidade pública. Um destes segmentos inclui bate-papos com advogados de imigração que respondem, em tempo real, a dúvidas compartilhadas pelo público em geral na seção de comentários.

O canal segmenta o tráfego em vários perfis no Facebook (além dos perfis Univision Noticias e Univision Política, os programas "Primera Impacto" e "Al Punto" têm suas próprias contas), e transmite vídeos ao vivo de todos eles. É por isso que eles foram forçados a gerenciar o conteúdo como se fosse programação do canal de televisão.

"Mesmo que o público se conecte ao Facebook Live quando eles preferem, você ainda tem que ter um tipo de programação e organização quando se trata de produzi-los. Nós começamos a fazer grades de programação para uso interno que mostram o conteúdo a ser produzido de segunda a domingo, além de quais contas vamos transmitir", disse Selymar Colón.

Cada vez mais, os meios não-televisivos da América Latina estão retomando sinais externos principalmente de órgãos governamentais e transmitindo-os por meio do Facebook Live, em plataformas como o Facebook Live API (um aplicativo tipo switcher que permite ao usuário criar fluxos de vídeo com várias fontes de vídeos e áudio, além de introduzir efeitos especiais).

O jornal mexicano Reforma transmitiu sinais ao vivo, como os discursos de Donald Trump ou mensagens do presidente do México, mas sempre tentando agregar valor utilizando jornalistas que comentam e analisam o conteúdo.

"Queremos dar conteúdo com valor real e de qualidade informativa, temos um público que está aumentando o consumo de vídeo, temos que estar presentes nas grandes histórias e adicionar valor a elas, não apenas transmiti-las sem um significado", disse Jorge Jiménez Fonseca, coordenador editorial da versão digital do Reforma.

O jornal mexicano produziu conteúdo exclusivo para Facebook Live. Durante meses antes da mudança de governo nos Estados Unidos, o Reforma realizou - em estúdios multimídia recentemente construídos - mesas redondas com especialistas em economia e política, que superaram 15 mil visualizações, em média.

Mas a área onde a mídia vê oportunidades adicionais ao usar o Facebook Live está fora do estúdio: protestos, marchas e grandes eventos, nos quais entrar com equipamento de áudio e vídeo pode ser arriscado e complicado, o que faz com que smartphones facilitem a transmissão e permitam uma imersão mais profunda.

"Vimos o verdadeiro impacto do Facebook Live quando fomos a única mídia que cobriu ao vivo o primeiro grande protesto contra o sistema de previdência social do Chile. Graças às nossas transmissões ao vivo, pudemos refletir a verdadeira raiva da população. Essas transmissões não são editadas, o que você vê é o que realmente está acontecendo. Ao mesmo tempo em que não requer grande sofisticação do equipamento, a transmissão requer profissionalismo quando se trata de sair, principalmente porque não nos especializamos em TV", disse Claudia González, jornalista multimídia para o jornal digital chileno El Mostrador.

Outra grande vantagem do Facebook Live é o investimento mínimo requerido. Algumas redações começaram a usar a plataforma com os recursos técnicos e humanos já utilizados pelas equipes.

"Nossa redação é pequena, não temos muitas ferramentas de trabalho multimídia, mas queríamos dar a nossos leitores um aspecto mais visual dos eventos, em vez de apenas textos com fotografias. A parte jornalística fizemos muito bem, e a interação nas redes sociais cresceu, que era o que estávamos querendo", disse Mael Vallejo, editor geral do site mexicano Animal Político. O site nativo digital usou o Facebook Live para transmitir o funeral de Juan Gabriel e para vários outros grandes eventos na Cidade do México.

O Animal Político usou um de seus repórteres que tinha experiência em televisão para treinar o resto da equipe em linguagem audiovisual, incluindo enquadramento, estabilização de imagem e fala em câmera. No entanto, o site e outros meios de comunicação da América Latina, como o jornal peruano La República, enfrentaram uma barreira geracional ao treinar jornalistas para usar o Facebook Live.

"Havia muitos jornalistas que não estavam muito ligados à tecnologia. Muitos colegas tiveram problemas com o Facebook Live no início, mas com o treinamento e os testes de tentativa e erro, os ensinamos de uma maneira ideal. Levou tempo, mas eles conseguiram se adaptar", disse Michael Solis, editor de multimídia do jornal peruano, que no ano passado comprou 100 smartphones para repórteres usarem em transmissões do Facebook Live.

Luis Renato Olivalves, diretor de relações de mídia para o Facebook na América Latina (Foto do Facebook )

A primeira incursão na produção de conteúdos audiovisuais tem sido um desafio para a mídia impressa com presença no mundo digital, no qual há também uma superprodução de conteúdo desse tipo. Por esta razão, o Facebook Live tem sido uma maneira perfeita de experimentar com audiovisual, assegurando, ao mesmo tempo, a atenção do público.

Embora a mídia da América Latina ainda esteja experimentando para determinar uma estratégia específica a seguir no Facebook Live, os meios de comunicação concordam que esta é uma plataforma com grande potencial jornalístico, que oferece crescimento exponencial em termos de alcance e interação com o público.

Somente o Brasil e o México são, respectivamente, o segundo e o terceiro maiores mercados do mundo em consumo de vídeo no Facebook, vindo logo atrás dos Estados Unidos. Isso indica que a população latino-americana tem uma alta preferência por consumir conteúdo em forma de vídeo, segundo Luís Renato Olivalves.

Mas, ao mesmo tempo, os meios de comunicação sabem que o Facebook Live é uma ferramenta à qual todo mundo tem acesso, por isso devem ser rigorosos para lhe dar seriedade jornalística.

"É uma mídia a ser levada a sério. Há muitas pessoas que assistem ao streaming ao vivo e, mais tarde, se você deixar o vídeo na linha do tempo, o alcance se torna muito maior do que qualquer outra publicação, graças ao algoritmo do Facebook. Não se pode usar essa plataforma descuidadamente", disse Mael Vallejo.

Para o Facebook, o streaming está dando voz massiva aos meios que não a tinham, mas isso sobretudo abre uma porta à criatividade e à criação de conteúdo original na rede social.

“O que mais importa é enganchar o conteúdo com a possibilidade de interagir com a audiência. Se esses dois elementos são bem explorados, não precisa de uma grande estrutura. O que importa é o conteúdo”, disse Luis Renato Olivalves.

 
 
Com a ajuda de representantes de cada meio de comunicação entrevistados nesta reportagem, nós compilamos esta lista de 10 casos de sucesso com transmissões ao vivo e incluímos resultados de engajamento (participação dos usuários), equipamentos usados, equipes e lições aprendidas.

 

UNIVISION (Estados Unidos)
Fonte: Selymar Colón, editora-chefe da divisão digital da Univision
 
TRANSMISSÃO: Massacre em bar gay de Orlando VIDEO 1, VIDEO 2
DESCRIÇÃO: Cobertura do jornalista e âncora Jorge Ramos em Orlando após o assassinato de mais de 50 pessoas em um bar gay
DATA: 12 de junho de 2016
ENGAJAMENTO: 1,7 milhões de visualizações em 2 transmissões
DURAÇÃO: 11:53
EQUIPAMENTO TÉCNICO: 1 smartphone
EQUIPE: 2 repórteres (em quadro) + 1 cameraman
LIÇÃO APRENDIDA: Quando há um evento noticioso de última hora, o Facebook Live pode ser usado para dar informações com antecedência quando os repórteres ainda estão a caminho da cena.
 
 
TRANSMISSÃO: Noite da eleição presidencial dos EUA VIDEO 1, VIDEO 2
DESCRIÇÃO: Cobertura das eleições norte-americanas na redação Univision
DATA: 8 de novembro de 2016
ENGAJAMENTO: mais de 14 milhões de visualizações em 2 transmissões
DURAÇÃO: 8 horas
EQUIPAMENTOS TÉCNICOS: Equipamento de transmissão de TV
EQUIPE: equipe da Univision News (dentro e fora de quadro)
LIÇÃO APRENDIDA: O limite de tempo que o Facebook estabeleceu para transmissões do Facebook Live é de quatro horas, e como a cobertura excedeu esse tempo, a transmissão teve que ser dividida. Para a cobertura da posse de Donald Trump, a Univision solicitou ao Facebook que estendesse o limite para 8 horas.


REFORMA (México)
Fonte: Jorge Jiménez Fonseca, coordenador editorial do Reforma
 
TRANSMISSÃO: Recorde de slackline entre dois arranha-céus na Cidade do México VIDEO
DESCRIÇÃO: O alemão praticante de slackline Alexander Schulz quebrou um recorde ao andar sobre uma corda bamba do alto de um edifício para outro, a 246 metros de distância.
DATA: 4 de dezembro de 2016
ENGAJAMENTO: 306 MIL visualizações
DURAÇÃO: 34:40
EQUIPAMENTO TÉCNICO: 1 smartphone
EQUIPE: 1 repórter (fora de quadro)
LIÇÃO APRENDIDA: Quando o evento é curioso ou incomum, gera mais interesse entre o público.

 
TRANSMISSÃO: discurso de Donald Trump sobre ordens executivas relacionadas à segurança nas fronteiras VIDEO
DESCRIÇÃO: Transmissão narrada do discurso, tirada do sinal oficial da Casa Branca
DATA: 25 de janeiro de 2017
ENGAJAMENTO: 291.192 visualizações
DURAÇÃO: 37:21
EQUIPAMENTO TÉCNICO: Equipamento de transmissão de vídeo online
EQUIPE: 10 membros da equipe de vídeo Reforma (fora de quadro)
LIÇÃO APRENDIDA: Encontrou-se uma forma de enriquecer a transmissão do sinal externo, fazendo com que um jornalista traduzisse e comentasse os eventos em tempo real, aproveitando os recursos técnicos da redação.

 

Fonte: Claudia González, jornalista multimídia do El Mostrador
 
TRANSMISSÃO: Teaser de "Pasajeros del Lado Sur", do El Mostrador VIDEO
DESCRIÇÃO: Bastidores da filmagem de um piloto de um novo programa produzido por El Mostrador.
DATA: 30 de junho de 2016
ENGAJAMENTO: 13.560 visualizações
DURAÇÃO: 1:48
EQUIPAMENTO TÉCNICO: 1 smartphone
EQUIPE: 1 funcionário (fora de quadro)
LIÇÃO APRENDIDA: Apesar de se tratar de um breve teaser de bastidores, os usuários reclamaram por meio dos comentários sobre a má qualidade do som.

 
DESCRIÇÃO: Mais de um milhão de pessoas marcharam contra o sistema de fundos de aposentadoria em Santiago, no que se tornou um protesto histórico
DATA: 21 de agosto de 2016
ENGAJAMENTO: 37 mil visualizações em 2 transmissões
DURAÇÃO: 33:24
EQUIPAMENTO TÉCNICO: 1 smartphone
EQUIPE: 1 repórter (fora de quadro)
LIÇÃO APRENDIDA: Houve problemas com o som capturado por smartphones, por isso tiveram que comprar um microfone externo.


Fonte: Mael Vallejo, editor-geral do Animal Político
 
TRANSMISSÃO: Protesto #VivasNosQueremos VIDEO 1, VIDEO 2, VIDEO 3, VIDEO 4
DESCRIÇÃO: Milhares de pessoas em várias áreas da Cidade do México protestaram pelo fim da violência contra mulheres, feminicídio e desigualdade de gênero.
DATA: 24 de abril de 2016
ENGAJAMENTO: 33,6 mil visualizações em 4 transmissões
DURAÇÃO: 17:44
EQUIPAMENTO TÉCNICO: 1 smartphone
EQUIPE: 1 repórter (dentro e fora de quadro) + 1 cameraman
LIÇÃO APRENDIDA: A conexão de celulares na Cidade do México é instável, principalmente em meio a grandes multidões.

 

TRANSMISSÃO: Enterro de Juan Gabriel no Palácio das Belas Artes na Cidade do México VIDEO 1, VIDEO 2, VIDEO 3
DESCRIÇÃO: Milhares de fãs esperaram em longas filas para ver, por alguns segundos, a urna das cinzas do compositor mexicano Juan Gabriel
DATA: 5 de setembro de 2016
ENGAJAMENTO: 40 mil visualizações em 3 transmissões
DURAÇÃO: 8:40
EQUIPAMENTO TÉCNICO: 1 smartphone
EQUIPE: 1 repórter (dentro e fora de quadro)
LIÇÃO APRENDIDA: Anunciar a transmissão anteriormente em mídias sociais envolve mais o público. Testes anteriores nas contas pessoais dos repórteres permitem a oportunidade de corrigir problemas com imagem, som e sinal.


Fonte: Michael Solís, editor multimídia do La República
 
TRANSMISSÃO: Entrevista ao vivo com a dupla mexicana de pop Río Roma VIDEO
DESCRIÇÃO: A banda mexicana Río Roma visitou a redação do La República e respondeu questões de fãs conectados na transmissão.
DATA: 14 de abril de 2016.
ENGAJAMENTO: 28 mil visualizações
EQUIPAMENTO TÉCNICO: 1 smartphone
EQUIPE: 1 repórter (fora de quadro) + 1 cameraman
LIÇÃO APRENDIDA: Entrevistas em redação são uma boa opção de transmissão, ainda que com a mesma equipe e equipamento técnico utilizados em uma transmissão externa, desde que os entrevistados atraiam uma boa audiência.

 
TRANSMISSÃO: Inundações em Chaclacayo e Chosica VIDEO 1, VIDEO 2
DESCRIÇÃO: Visita à área atingida por grandes inundações em vários distritos da Província de Lima
DATA: 24 de janeiro de 2017
ENGAJAMENTO: 62,6 mil visualizações em 2 transmissões
DURAÇÃO: 18:29
EQUIPAMENTO TÉCNICO: 1 smartphone
EQUIPE: 1 repórter (em quadro) + 1 cameraman
LIÇÃO APRENDIDA: Os fotógrafos que trabalham em conjunto com os repórteres podem tirar proveito da experiência em captar imagens para servir como operadores de câmera, depois de terminarem o trabalho de tirar fotos.

 
 
 

(*) Esta história é parte de um projeto especial do Centro Knight que é possível graças ao apoio generoso da Open Society Foundations. A série "Jornalismo de Inovação" cobre novas tendências de mídias digitais e melhores práticas na América Latina e Caribe.

Veja outras histórias da série:




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook